DÚVIDAS COMUNS SOBRE ESCLEROTERAPIA


1. Que tipos existem?

Existem 3 tipos principais de escleroterapia, que variam de acordo com a forma como é feita a destruição das veias:

  • Escleroterapia com glicose: também conhecida como escleroterapia por injeção, é especialmente usada para tratar vasinhos e pequenas varizes. É feita com a injeção de glicose diretamente na veia, o que causa irritação e inflamação do vaso, resultando em cicatrizes que acabam por fechá-lo;

  • Escleroterapia laser: é uma técnica mais usada para eliminar vasinhos do rosto, tronco e pernas. Neste tipo, o médico utiliza um pequeno laser para aumentar a temperatura do vaso e causar sua destruição. Por utilizar laser, é um procedimento mais caro.

  • Escleroterapia com espuma: este tipo é mais usado em varizes grossas. Para isso, o médico injeta uma pequena quantidade de espuma de dióxido de carbono que irrita a variz, fazendo com que desenvolva cicatrizes e fique mais disfarçada na pele.

O tipo de escleroterapia deve ser discutido com o médico angiologista ou dermatologista, pois é importante avaliar todas as características da pele e da própria variz, para escolher o tipo com melhor resultado para cada caso.


2. Quem pode fazer escleroterapia?

A escleroterapia geralmente pode ser usado em quase todos os casos de vasinhos e varizes, no entanto, como é um método invasivo, deve ser utilizado apenas quando outros métodos, como o uso de meias elásticas, não conseguem diminuir as varizes. Assim, deve-se sempre discutir com o médico a hipótese de iniciar este tipo de tratamento.

Idealmente, a pessoa que vai fazer escleroterapia não deve ter excesso de peso, para garantir uma melhor cicatrização e o surgimento de outros vasinhos.


3. Fazer escleroterapia dói?

A escleroterapia pode provocar dor ou desconforto quando a agulha é inserida na veia ou depois, quando o líquido é inserido, pode surgir uma sensação de queimação no local. No entanto, esta dor costuma ser suportável ou pode ser atenuada com o uso de uma pomada anestésica na pele, por exemplo.

4. Quantas sessões são precisas?

O número de sessões de escleroterapia varia bastante de acordo com cada caso. Por isso, enquanto em alguns casos pode ser necessária apenas uma sessão de escleroterapia, existem casos em que pode ser preciso fazer outras sessões até obter o resultado pretendido. Quanto mais grossa e visível a variz a tratar, maior será o número de sessões necessárias.


5. Quais os possíveis efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais da escleroterapia incluem sensação de queimação no local imediatamente após a injeção, que tende a desaparecer em algumas horas, formação de pequenas bolhas no local, manchas escuras na pele, hematomas, que surgem quando as veias são muito frágeis e tendem a desaparecer espontaneamente, inchaço e reações alérgicas à substância usada no tratamento.



6. Que cuidados se deve ter?

Os cuidados na escleroterapia devem ser adotados antes do procedimento e depois. No dia anterior à escleroterapia, deve-se evitar fazer a depilação ou aplicar cremes no local onde vai ser feito o tratamento.

Após a escleroterapia, recomenda-se:

  • Usar uma meia de compressão elástica, tipo Kendall, durante o dia, por pelo menos 2 a 3 semanas;

  • Não fazer depilação nas primeiras 24 horas;

  • Evitar exercício físico exaustivo durante 2 semanas;

  • Evitar a exposição solar por, pelo menos, 2 semanas;

Apesar do tratamento ser eficaz, a escleroterapia, não impede a formação de novas varizes, e, por isso se não existirem cuidados gerais como usar sempre a meia elástica e evitar permanecer muito tempo de pé ou sentado, outras varizes poderão aparecer.


7. Os vazinhos e as varizes podem voltar?

Os vasinhos e as varizes tratadas com a escleroterapia raramente voltam a surgir, no entanto, como este tratamento não trata a causa das varizes, como o estilo de vida ou o excesso de peso, novas varizes e vasinhos podem surgir em outros locais da pele. Veja o que pode fazer para evitar o surgimento de novas varizes.


Para mais informações ou para agendar seu tratamento de Escleroterapia, entre em contato com a unidade da ACESSO SAÚDE SÃO BERNARDO DO CAMPO - Rua Marechal Deodoro, 307 - Centro Tel. (11) 4121-9000


#ginecologia #mioma #embolização #TomasSmithHoward #Endocrinologia #Metabologia #Ginecologia #Obstetrícia

Posts Em Destaque